Violeta Filmes passa a se chamar Ultravioleta e se une à A Fábrica para produção de conteúdo de entretenimento

A Violeta Filmes, produtora que nasceu em maio de 2020, já em meio à pandemia, muda de nome após várias novidades em sua operação.

A Violeta Filmes, produtora que nasceu em maio de 2020, já em meio à pandemia, muda de nome após várias novidades em sua operação. Através de processo de re-branding, a Violeta passa a adotar a marca Ultravioleta, processo que acompanha o anúncio de fortalecimento de seu departamento de projetos especiais, voltado ao desenvolvimento e produção de conteúdo não-ficcional de entretenimento para TV aberta e por assinatura, WebTVs e streaming. Chega à produtora Luís Antonio Silveira, que passa a capitanear a área de desenvolvimento e produção de conteúdo na Ultravioleta e por meio de parceria com A Fábrica, que tem forte know-how em produções para cinema e televisão, com operações no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Luís Antonio Silveira é um profissional que acumula vasta experiência em diversas empresas da indústria nacional de produção. Ele torna-se o responsável pelo núcleo de conteúdo não-ficcional da produtora, o que inclui projetos como séries documentais, realities shows, produções sobre o meio ambiente ou natureza, entre diversos produtos audiovisuais. Ao longo da carreira produziu mais de 1000 horas para canais nacionais e internacionais. Com a parceria, a produtora A Fábrica passa a dar suporte para a Ultravioleta desenvolver ainda mais sua área de conteúdo para entretenimento, com transferência de know-how – aliada à grande experiência de Silveira. “Vamos passar a oferecer ao mercado novos produtos para TV aberta, TV por assinatura, WebTVs e streaming”, afirma Carlos Guedes “Cebola”, sócio da Ultravioleta ao lado de Mário Peixoto, Gilberto Pires (conhecido como Gibinha) e Roberta Reigado. Vale ressaltar que a produtora Ultravioleta já tinha um departamento de projetos especiais, produzindo branded content, fashion films e curtas-metragens. “Juntos, esse nosso departamento torna-se ainda mais forte”, avalia Guedes.

A Fábrica, que foi criada em 2016, tem o jornalista e escritor carioca Luiz Noronha como diretor executivo, com experiência na produção de mais de 20 longa-metragens e cerca de 60 programas e séries para TV. A Fábrica já produziu centenas de horas de conteúdo de entretenimento, entre filmes, séries, programas de TV e projetos para novas mídias. Em seu portfólio há produções para players como WarnerMedia (TNT e HBO Max), Amazon, Netflix e Grupo Globo.

Luís Antonio Silveira, que agora está à frente da área de conteúdo de entretenimento na Ultravioleta, é físico e educador. Seus primeiros trabalhos no audiovisual partiram de investigações sobre a formação do povo brasileiro que resultaram nas séries “Angola, Além-mar” e “Viagem Philosóphica”, exibidas nos canais: Channel 4 – UK, RTP – Portugal e Arte france. No Rio de Janeiro, trabalhou na Giros Filmes entre 1999 e 2008, ano em que participou da criação do departamento de TV da Conspiração, onde atuou como produtor executivo até 2013. Foi quando se mudou para São Paulo, para abrir o departamento de TV na Cinegroup. Entre 2017 e 2019 desenvolveu projetos blue chips para canais internacionais na Canal Azul. Em 2019 abriu a unidade operacional da A Fábrica em SP, onde atua até hoje.

A Ultravioleta firmou também, em agosto do ano passado, um acordo com a Moonheist, lançada em 2020 pelos sócios William Kim, Willy Hajli, Ariel Hidal e Henrique Carvalhaes. Desde então, a Moonheist passou a contar com um suporte operacional da Ultravioleta em produções para o mercado publicitário, que já gerou trabalhos para agências como Wieden + Kennedy, Africa, DOJO, Wunderman Thompson e David.

Leia mais notícias:

https://marcaspelomundo.com.br/produtoras/manuh-fontes-fortalece-o-casting-de-diretores-de-cena-da-violeta-filmes/

https://marcaspelomundo.com.br/

Experimente a TV Cultura, por Daniel Aguado

Experimente a TV Cultura

Inúmeros estudos de mercado têm demonstrado que a TV aberta ganhou uma relevância e uma audiência impressionantes ao longo dessa pandemia. Com os consumidores mais